Como foram as últimas horas antes do meu casamento #VlogTôCasando

Não deu tempo de filmar muita coisa. Mas fiz questão de filmar o que dava hahaha vejam aqui como foi!

  

Anúncios

Não como outro “dia 23” qualquer. 

Hoje completamos 5 anos e 4 meses, mas esse é um dia 23 muito importante e especial: é o dia em que vamos dar entrada no nosso casamento civil.
Minha ficha ainda não caiu… Será que um dia vou entender que meu maior sonho aos poucos está se realizando?   

5 anos

Estavam juntos há 5 meses.

Ela recém-formada da faculdade.

Ele recém-admitido na faculdade.

Ela perguntou, sob um céu cheio de estrelas: Casa comigo?

Ele respondeu: Caso.

Ele tinha que se formar.

E por 5 anos ela tinha que esperar.

Ainda assim, ela ainda o chamava de namorado.

Ele já começou a chamá-la de noiva.

Ela começou suas pesquisas de casamento.

Ele começou a estudar.

Ela pensava na decoração do casamento.

Ele, em como faria para passar em Álgebra Linear.

Ela sonhava com o anel de noivado.

Ele, batalhava para um dia pagá-lo.

Ela dizia que sentia que era a noiva menos noiva do mundo.

E ele era o jovem estudante mais empenhado para que o casamento acontecesse logo.

Ela sonhava.

Ele também sonhava. E batalhava.

Faltando 1 ano para a formatura dele, ela começou a pedir orçamentos. Assim, sem compromisso.

Mas ele mergulhou nesse momento e começou a participar dos preparativos, negociações e contas. Aquele mês ficou marcado como o começo de um dos maiores compromissos de suas vidas.

Ela sugeriu uma data. Ele, feliz, topou.

Ela decidiu fazer um blog, reunindo tudo que ela pesquisou nesse longo noivado.

E ele foi o primeiro a acreditar.

Alguns meses depois, ele perguntou, após abrir uma certa caixinha: Tem certeza?

Ela respondeu: Claro que tenho!

Ela sempre teve certeza, desde o início. E sabe que ele também.

……………………………

Obrigada, meu amor. Seu esforço para que nosso sonho se realizasse tem um valor inestimável para mim.

Que sigamos lutando por tantos outros sonhos.

Juntos, sempre juntos.

Amo você ❤

5anos

PS: ano passado contei nossa história sob outra perspectiva em outro blog, dá uma olhadinha 😉

Pedido de casamento: como foi?

Nosso noivado foi bem diferente do padrão:
Aos 4 meses de namoro, quando estávamos vendo as estrelas em nossa primeira viagem juntos, pedi ele em casamento. Assim, só perguntei:
– Casa comigo?
– Caso.

Pareceu apenas uma conversa bobinha de dois namorados apaixonados, mas desde então começamos a nos referir um ao outro como “noivo/noiva”. Mudamos o status do Facebook. Pessoas vinham perguntar, eufóricas, quando seria o casamento, e logo se decepcionavam: seria depois que ele se formar. Ou seja, depois de 5 anos! Junto com a decepção, muitas vezes vinha acompanhado o olhar de ceticismo, que dizia: “então não é noivado” ou “até lá vocês já terminaram”.

Cerca de 2 anos depois, conversamos e eu disse que era a noiva que menos me sentia noiva no mundo, porque tudo estava muito longe ainda, e não havia nada que pudéssemos fazer… Então ele fez umas contas e vimos que podíamos começar a juntar dinheiro pro casamento.
Outro fato que me fazia não me sentir noiva era que EU não havia sido “pedida”. Eu tinha um noivo que me disse SIM, mas eu não disse SIM para ninguém…

Bom, quase 4 anos se passaram desde o meu pedido, e faltava pouco mais de 1 para o momento que combinamos nos casar. Pensei: não faço IDEIA do quanto custa um casamento. Comecei a orçar e já avisei ele, cheia de medo, de que comecei as pesquisas.
Tive medo dele achar ruim, achar que eu estava me adiantando… Mas se ele achou ruim, não deixou transparecer, porque ele se juntou a mim nas pesquisas, orçamentos, negociações… E algumas coisas já fechamos logo, porque vimos que quanto mais demorássemos, mais caro tudo ia ficar!
Fechamos buffet, foto, filme, bar, fechei vestido, comprei alguns acessórios…

Mas ainda assim, uma parte de mim não se sentia noiva.
Eu não queria fogos de artifício, pedido em público, música… Apenas queria ouvir dele a pergunta que ele nunca havia feito (mesmo que ambos já soubéssemos o que o outro queria).

Bom, no último dia dos namorados (nosso último “solteiros”), não combinamos de ter um jantar especial. Eu ia trabalhar, ele também, era sexta, teria trânsito… Apenas nos encontramos e fomos no shopping, comer qualquer coisa, dar uma volta, e deixamos a comemoração especial para outro dia.
Alguns dias antes, ele me perguntou:

– Quando você quer seu presente?
– Agora

Esse é um diálogo que acontece em toda data comemorativa hahaha
Mas claro, ele não fez o que pedi xD

No carro, voltando para casa depois do shopping, já comecei a encher ele:
– E meu presente? Me dáááá! Eu queeeero! Vai dar meia noite e você não me deu o presente, você quer que eu faça mimimi pelo resto da vida dizendo que você me deu o presente ATRASADO?
(quando quero ganhar meu presente, uso todas as armas possíveis hahaha e dificilmente funciona #fail)

Ele nem fazia menção de pegar o presente.
Chegamos em casa, ele ficou enrolando de propósito para me dar o presente.
Foi passar fio dental (“Ah, você vai passar fio dental ainda???”), brincou com os cachorros… Pegou uma pasta de dente na mochila (dizendo que a minha era ruim) e se trancou no banheiro.

– Ah, Ssauro, você ainda vai fazer coco??????

Segundos depois ele abriu bruscamente a porta e disse:

– Você quer?
– Quero!
– Tem certeza?
– Tenho!
– Tem certeza?
– Tenho!
– Tem certeza de que você quer casar comigo?

Eis que ele tira a caixinha do bolso, abre e me mostra o anel.
(Na verdade ele não pegou a pasta de dente na mochila, e sim o anel!)

Na hora eu:

– OOOOOOOOOOOOOOOOOWWWNNNNNNNNNNNNNNNNNNN!
Levantei para abraçá-lo e ele:

– Espera… *ajoelha*
– OWWWNNNNN
-… eu tenho que amarrar o sapato… *finge que amarra o sapato*

Comecei a rir, levantei ele e o abracei tanto, mas TANTO…
Nem vi o anel!

– Então… Você tem certeza?
– Não…*
– O.O
– Não tenho certeza de que VOCÊ quer casar comigo… 😉 Mas EU tenho certeza de que quero.

Rimos muito, nos beijamos, dei altos gritinhos quando vi o anel direito…

E foi assim. Sem fogos de artifício, público e música, mas rimos muito, foi completamente inesperado e… do nosso jeitinho 🙂

*Esse “não” foi uma brincadeira porque quando ele me pediu em namoro, foi assim:
– Quer namorar comigo?
– Minha resposta não é “sim”. Minha resposta é “CLARO QUE SIM”.